Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Em 8 dias, mais de 100 balas foram usadas em 6 mortes ligadas ao tráfico em Manaus

O terceiro ‘irmão metralha’, que comandava o tráfico de drogas na Zona Norte de Manaus, foi executado com 30 tiros neste sábado. Além dessa, outras cinco mortes ligadas ao tráfico de drogas ocorreram na capital do Amazonas nos últimos dias

O corpo de Riodemar foi recolhido pelo Instituto Médico Legal (IML), por volta da 9h e 30 desta manhã, e o caso está sendo investigado

O corpo do "irmão metralha" foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) (Luis Vasconcelos)

Jéferson Átila Dias França, vulgo “Jefinho”, foi o terceiro integrante de uma quadrilha de traficantes conhecida como “irmãos metralha” – que  comandava o tráfico na área da comunidade Mundo Novo, Zona Norte de Manaus – , a ser morto em menos de 8 dias. 

O traficante foi morto com 30 tiros na manhã deste sábado (12), na Rua 11, no bairro Lírio do Vale, Zona Oeste de Manaus.

De acordo com informação preliminar da polícia, Jéferson era traficante e rival de Allan Costa Rodrigues, que foi assassinado no último dia 5 de maio, no estacionamento do Diamond Convention Center, durante uma festa.  

Segundo populares que estavam na rua no momento do homicídio de “Jefinho”, uma pessoa em veículo modelo Corola, parou o carro e fez os disparos contra  a vítima que estava parada em outro veículo. O corpo de Jéferson foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML).

Outras mortes
Em outras duas execuções de pessoas ligadas ao grupo, que ocorreram essa semana no Bairro da Paz, Zona Centro-Oeste, foram desferidos 12 tiros.

No domingo (6) foram mortos Jacob Jessé França Dias, 28, o “Jacozinho” e Joelson Dias Franças, 29, o “Jojoba”, assassinados com mais de 60 tiros, no Conjunto Jardim Versalles, na Zona Centro-Oeste. A morte foi atribuída a um acerto de contas entre eles e o grupo de traficantes comandado por José Roberto Fernandes, o Zé Roberto da Compensa, que cumpre prisão no presídio do Pará.

De acordo com informações da polícia a briga entre os grupos foi motivada pelo desaparecimento de 20 quilos de droga e morte do traficante Átila Costa Rodrigues, o Guga, ocorrida na manhã do último sábado, em Manaus.        

Irmão vivo
O quarto “irmão metralha”, Jadson Charles Dias Gomes, 33, conhecido como “Som”, está vivo. Ele foi preso pela Polícia Civil na última segunda-feira (7) e está na Cadeia Pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoal. Durante a prisão foi apreendido com ele metralhadoras, pistolas de uso exclusivo da polícia e forte munição.