Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Dois homens são executados no bairro Lírio do Vale

As vítimas jogavam uma partida de bilhar em um lava jato quando foram alvejados com tiros na cabeça e no tórax

As vítimas foram mortas com uma pistola 380, arma de uso exclusivo da polícia

As vítimas foram mortas com uma pistola 380, arma de uso exclusivo da polícia (Evandro Seixas)

Dois homens foram executados com oito tiros no fim da tarde desta sexta-feira (19), em um Lava Jato na Rua Vale do Sol, no bairro Lírio do Vale, Zona Oeste de Manaus. Segundo policiais militares da 19º Companhia Interativa Comunitária (Cicom), a munição usada no crime era de uma pistola 380, de uso exclusivo da polícia. O irmão e os dois filhos de uma das vítimas testemunharam o crime.

De acordo com informações do Soldado John, Elias Henrique Azevedo, 28, dono do ‘Lava Jato Henrique’ e Vivaldo Brasil de Sena, 28, cliente que esperava atendimento, foram assassinados por volta de 17h30 quando dois homens chegaram ao local em uma motocicleta.

“Um deles saltou do veículo e surpreendeu as vítimas, que jogavam uma partida de bilhar, os alvejando com três tiros na cabeça e no peito de cada um. Dois disparos não atingiram os alvos”, disse o policial.


Testemunhas

O irmão do proprietário do Lava Jato, Francisco Azevedo, que trabalha no local, informou que o atirador se dirigiu primeiramente a Vivaldo e logo após matou seu irmão. “Eu estava lavando um carro no momento que tudo aconteceu. O Vivaldo era nosso cliente há muito tempo, nunca ouvi nada de ruim sobre ele. Meu irmão morreu apenas porque viu o rosto do assassino”, disse Francisco, inconformado com o acontecido.

Segundo a descrição de Francisco, o atirador era um homem magro, de 1,65 de altura e vestia calça jeans e uma blusa branca quadriculada.

O Instituto Médico Legal (IML) levou os dois corpos logo após policiais civis da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS) realizarem perícia na cena do crime. A DEHS irá investigar o caso.